quinta-feira, dezembro 11, 2008

Um Des(Conto) de Natal



Lancei um desafio sobre o tema do título, e eis que surge hoje a participação de Onaírda do blog "Bancada Directa".
Muito obrigada, amigo Onaírda.
......
Menino Jesus : O tamanho em "equilíbrio"
.
A história é real! Passou-se em 2004.
.
Se a minha neta tem hoje nove anos de idade e se a senhora sua mãe garante que ela naquela altura, só tinha, ainda, cinco anos de idade, fácil é fazerem-se as contas e verifica-se, logo, que 2004 é o ano correcto para situar este acontecimento.
.
Local do mesmo, uma qualquer rua inclinada na cidade de Elvas, onde num pequeno largo estava instalado um Presépio de Natal.
Naquele ano, e se calhar estava em moda, furtavam-se as imagens dos "meninos Jesus" deitados nas palhinhas. Já tinha conhecimento deste "feito" algures numa localidade do centro do país, não me lembro muito bem de qual.
.
As autarquias faziam um esforço para instalar presépios de dimensão natural, para os habitantes dessas localidades "em proximidade" e sentissem o espírito do Natal. De boas intenções está o mundo cheio. E as autarquias também!
.
Um dos meus netos, o mais velho, tinha ido visitar os avós maternos a Queluz. Da janela do comboio viu uma inscrição mural antes de chegar à estação de destino e que rezava assim: "Olivença é nossa"! Despertou-lhe esta afirmação uma certa curiosidade e quando voltou a casa interpelou sua mãe para o esclarecer. Depois da explicação suficiente, até acharam graça que a família poderia ir visitar Olivença e confirmar que esta cidade espanhola, de população assumida como tal, ainda tinha vestígios, por inscrições em monumentos de que tinha sido pertença de Portugal.
.
Depois da visita a Olivença foi o regresso a casa com uma paragem em Elvas. Fomos surpreendidos pela instalação de um Presépio de Natal, com figuras em tamanho natural numa rua inclinada onde num pequeno largo havia um pequeno lago. E neste enquadramento o presépio era bem visível, mas tinha um efeito negativo que nos entristeceu: a imagem do menino Jesus não estava nas palhinhas deitado.
.
Disseram-nos no restaurante ali perto que tinha sido furtada durante a noite por uns galdérios já homenzitos. Num dos jantares de família pouco dias depois, o neto mais velho realçou a bondade da irmã Ana Catarina dizendo que esta, com o seu apoio, tinha enviado, via encomenda postal, uma imagem do Menino Jesus, para o Presidente da Câmara de Elvas, para preencher a cama de palha de onde tinham furtado a imagem.
.
Pensámos que estavam a brincar, mas o talão de envio da encomenda dos Correios de Portugal confirmava o envio da mesma.
.
O pai começou-se a rir e observou:
-Não me digas que enviaste aquele Menino Jesus pequenino, que não mede mais de 10 centímetros?-Foi, respondeu a catraia.
- Tu és uma tonta. Então no lugar de um Menino Jesus, que devia medir pelo menos meio metro, tu querias que lá pusessem uma miniatura?
A resposta surgiu rápida, eficaz, mortífera.
-Vocês são uns tontos e não se dão conta do que é o "equilíbrio" do Menino Jesus!
-Explica-me lá isso e destroca-me por miúdos, disse o pai.
-Então reparem! Se foram homens grandes que levaram o Menino Jesus que era grande, eu que sou pequenina só podia mandar um Menino Jesus pequenino!
.
Uma boa acção não tem que ser grande para ter valor. Às vezes o que é pequeno vale mais do que uma coisa grande. E equilíbrio é necessário!
.
Onaírda, vulgo Adriano Ribeiro

2 comentários:

PSousa*Bancada Directa* disse...

O verdadeiro pensamento sempre foi e será das crianças, pois as acções verdadeiras são elas que as fazem criar.

Um grande Abraço Amigo Adriano e também bjinhos a Fresquinha com boa continuação para os dois, de uma Santa Quadra Natalícia com tudo de bom.

Fresquinha disse...

Pedro,

Não sei se ás crianças são mais verdadeiras que os adultos. Apenas sei que as crianças teem pensamentos quânticos, e nós, adultos, pensamentos lineares. Tudo junto, conduz-nos ao que chamamos verdade. Mas haverá só uma verdade ???
Uma coisa para reflectires quando estiveres a prestar as tuas homenagens ao Presépio de Natal, à lareira, etc.
Há crianças em todos nós.
Para essa criança que existe em ti, desejo um Feliz Natal e um Ano 2009 com todas as tuas esperanças renovadas. Beijos e Bolo Rainha !