sexta-feira, março 21, 2008

crucificações nas Filipinas


Funcionários do serviço de saúde Filipinos alertaram ontem as pessoas que participam nas crucificações da Páscoa e em rituais de auto-flagelação para levarem primeiro a vacina contra o tétano e esterilizarem as unhas para evitar infecções. Todas as Sexta-feiras Santas, nesta nação do sudeste asiático predominantemente católica romana, dezenas de homens pregam-se em cruzes de madeira em memória da crucificação de Jesus Cristo.

Ao mesmo tempo centenas de outras pessoas, na sua maioria homens de faixa da cintura, chicoteiam-se até as costas serem cortadas e ficarem em carne viva, sangrando profusamente, como forma de se redimirem dos seus pecados, cometidos durante o ano passado.

A Igreja Católica carrega o sobrolho a estas crucifixações e auto-flagelações, os quais se tornaram uma atracção turística num certo número de cidades em todo o país. O departamento de saúde emitiu um alerta sanitário e aconselhou as pessoas que participam na rituais de sexta-feira para se vacinarem contra o tétano e para verificarem a condição do chicote que irão utilizar na flagelação das suas costas. Ele advertiu que chicotes sujos poderiam induzir ao tétano e a outras infecções.
O Secretário de Estado da Saúde, Francisco Duque, comentou o quão difícil é desencorajar "chicotadas flageladoras na sua própria carne", e que o melhor que os penitentes podem fazer é garantir que os seus chicotes estejam em boas condições de manutenção".

2 comentários:

Xara disse...

É um ritual que me faz muita impressão e então com a parte turística pelo meio...
É outra cultura que respeito mas, na minha modesta opinião,haveria outras formas dos crentes se penitenciarem duma forma não cruenta e que fosse mais positiva para o seu semelhante.
Estamos no século XXI não é??
Beijo

fresquinha disse...

Xara,

Partilho inteiramente da sua opinião. O facto de o ter publicado é para denunciar estas práticas medievais patéticas. Ki um livro, que aconselho que se chama "Conversas com Deus" (se estiver interessada vou pesquisar o nome do autor que está debaixo da língua e não sai". Um livro fantástico em que Deus responde a uma questão sobre a crucificação e a auto-flagelação, dizendo que discorda destas práticas uma vez que sendo Pai não deseja para os seus filhos o horror pelo qual passou. E isto faz sentido, vindo do Cristo em que eu acredito. A Igreja católica é totalmente culpada, quanto a mim. Quantos eclesiásticos não se chicotearam (ou chicoteiam) para purgar pecados ? As procissões de joelhos em Fátima ? Não vejo agora a Igreja católica a denunciar ou a tomar posição em relação a estas crenças malsãs. Franze o sobrolho mas não toma posições. É por essas e por outras, que na Igreja Católica não me apanham. Sou cristã, sim. Mas não embarco nestas aberrações. Nem neste século, nem no anterior, nem nunca.